ZÉFIROS DO ÓPIO MALDITO

ZÉFIROS DO ÓPIO MALDITO

ZÉFIROS DO ÓPIO MALDITO   Zéfiros divinos que tocam minha fronte, O édem me circunda, e vislumbro toda uma vida perdida, Ventura a minha de sentir forte presença nas amarílis da vida, E o céu se inflama sobre os sinuosos montes. E ébrio por tamanho furor, componho...
SONETO DILACERADO

SONETO DILACERADO

SONETO DILACERADO   De lá será da mente O infinito cotidiano, Das Agruras que me Beijam amaviosa vis,   De um pranto que se planta dissabor, Quão devoluta ventura Desta aventura vil,   Arde, o suspiro nada doce Que do âmago se amargura, Há que desta aurora febril  ...
O BREJO

O BREJO

O BREJO   O Brejo brejeiro Nos fundos da casa, Não é Rio de Janeiro, Muito menos Mar Del Plata,   Sequer tem sobrenome O brejo dos sapos, Dos gorjeios úmidos E a pressa das cobras   É só Brejo, Como fosse João, Como fosse José,   Candura que beija-me a mão, E Brincam...
LA NINÃ

LA NINÃ

LA NINÃ   E veio num bom dia Quebrada pela dor E como de costume Enxuguei amiúde   o sereno em tua face   Até que não mais houvesse Até estancar com a aurora De um novo dia, nova flor! Regava com afeto e presença   A importância da tua existência E te falava dos...
PERFUMARIA

PERFUMARIA

PERFUMARIA   Minha coleção de tristezas Guardo em frascos coloridos, Cada uma com sua essência no tempo,   Umas cítricas, outras amadeiradas, Refrescam a memória num perfume etéreo…   Vaporoso hálito da saudade traz aroma de esquecimento, E fixa na pele as...