SONETO DA PRINCESA DO AÇOITE

SONETO DA PRINCESA DO AÇOITE

SONETO DA PRINCESA DO AÇOITE   Eu viajo por entre as brumas, E canto por entre as urnas; Sou a observadora da noite, A princesa de todos os açoites.   Eu vago, sou a erradia noturna, A vadia dos meus artistas; Faço meus templos em suas tumbas; Amo, todos os tostes a...
LA GUESA

LA GUESA

LA GUESA   Caminhas em longa estirada, Como quem foge de algo, Tens no peito uma bússola guardada, E na frente, um sorriso almo.   Foges criança, pois ele vem, Mas não demonstres fraqueza; Com teus olhos seduza a riqueza, E camufle os segredos que tem;   Todos querem...
A MÁSCARA DE BALBÓ

A MÁSCARA DE BALBÓ

A MÁSCARA DE BALBÓ   “– A máscara cai… e eu não vejo sombras, Não há mais como esconder; então, vejo quem sou!”   De fronte ao espelho imenso Que todas as verdades acolhe, Ruflam as aves, senão anjos bailarinos, Numa dança de despedida. A brisa exala um doce...
ZÉFIROS DO ÓPIO MALDITO

ZÉFIROS DO ÓPIO MALDITO

ZÉFIROS DO ÓPIO MALDITO   Zéfiros divinos que tocam minha fronte, O édem me circunda, e vislumbro toda uma vida perdida, Ventura a minha de sentir forte presença nas amarílis da vida, E o céu se inflama sobre os sinuosos montes. E ébrio por tamanho furor, componho...
XAMATA

XAMATA

XAMATA   Noite, vislumbro-me só, e tu surges; Sinto-te como o aroma das vândeas, Vens e cobre-me os sonhos contidos, Xamata mística que pungi minh’alma.   Piérides de outras vidas que vivi, És todas numa só chama tênue chama, Tua tez é porcelana, negras lágrimas...
SONETO DO VENTO DA MORTE

SONETO DO VENTO DA MORTE

SONETO DO VENTO DA MORTE   O vento que bate em meu rosto É como o tempo que muda teu corpo A lua se intumesce toda Quando a morte beija-me a boca   A morte tão bela e tão forte É a vida dos que não tem sorte O tempo com o vento da morte Passa em meu pulso fazendo três...