CASTANHOS TARDIOS
 
 
Havia dedicatória naquele céu,
onde o passarinho cantava
no mesmo idioma dos olhos dela.
 
Ela não viu, não ouviu,
nem sentiu a saudade
em tons de azul e castanhos tardios.
 
(Anderson Delano Ribeiro)