CACTOS AMANHECIDOS
 
 
Em mim habitam muitos vazios,
Resolvi preencher com vasinhos,
Cactos amanhecidos na janela,
Numa débil tessitura
De força e delicadeza,
 
Confesso que a destreza no peito
É medo que a tristeza inunde o leito,
Transbordando na quaresma
Os restos dos dias de festa,
 
Que ventura amar na vida
O eco do teu silêncio…
No âmago da taciturna flora,
 
Que perdura andar perdida
O ego em sangramento,
O sândalo perfuma a história…
 
(Anderson Delano Ribeiro)
Anderson Delano

Anderson Delano

Graduando em Psicologia pela UFF, poeta, músico, apaixonado por arte, design, nerdices e pela Psiquê.

MAIS SOBRE O AUTOR
TODOS OS POSTS

Pin It on Pinterest