QUIMERA

QUIMERA

QUIMERA   Não era a face da aurora Perdida no espaço tempo dos teus olhos   Talvez o reflexo luminoso Da tua alma refrescasse Meus versos vencidos no silêncio   A dor, que tira o sono E adormece os feridos No último suspiro… O silêncio!   Ainda suspeito das...
DA MORTE

DA MORTE

DA MORTE   Da morte o beijo suave Um sopro sereno Um canto sussurrado   Da paz que transgride os ossos O perfume das rosas A festa dos vermes   A terra que se alimenta A vida que brota Do solo que sou   (Anderson Delano Ribeiro)     (Foto de Mikhail Nilov no...
CONFISSÃO

CONFISSÃO

CONFISSÃO   Não era a aurora, talvez o tempo do eterno perdurasse o segundo da espera, os significantes do mundo cantavam a melodia das cores, de certo, era grave! E a lua teimava em firmar-se rente a igrejinha a lembrar-me do caminho curto para tocar as estrelas...
SONETO FEITO FUMAÇA

SONETO FEITO FUMAÇA

SONETO FEITO FUMAÇA   Na conjuntura do vazio O Rio é realmente violento Ainda que haja cor Não há casa, não há tempo   Na linha que leva a Dutra Há um cinza prolixo Dos olhos perdidos no lixo Nos cantos no metrô   A capital está longe de Capitu Ainda mais longe de...
CAPITU E O MAR

CAPITU E O MAR

CAPITU E O MAR   Poemar estrelas, Escutar a lua, Pelo mar transbordam Quão teus véus costura,   Cada gesto um toque, A dançar flutua, Do mirante ao forte Teu espaço estrela,   Conduzem as mãos A escrever na pele, Feito areia úmida Entre os passos   O Tempo…   É...
UNIVERSO

UNIVERSO

UNIVERSO   Universo Une vértebras Laçar de mãos   Uno Poema Não trema No trema   Cujo amor Acentua Desritma, flutua   A Loucura do Mundo! Profundo Sentir Não choras, eu volto   Que metade não é Uno Que se parte ao partir…   (Anderson Delano Ribeiro)     (Foto de...