TE ESCREVI UM BILHETE (LIRA DE ORFEU)
 
 
Te escrevi um bilhete
Das lembranças ramalhete,
Flores serás no jardim
Que levo em mim…
 
É Amor que não desiste…
E ainda triste persiste,
Um Poema inacabado
De saudades desenhado
 
Num caderninho de lembranças
Com laudas brancas de esperança
E cores que esperam o toque teu…
 
Langue na lira de Orfeu confesso:
– Não sou eu que escrevo sobre afetos,
São os afetos que escrevem sobre mim.
 
(Anderson Delano Ribeiro)
Anderson Delano

Anderson Delano

Aprendiz de psicólogo pela UFF, poeta, músico, apaixonado por arte, design, nerdices e pela Psiquê.

MAIS SOBRE O AUTOR
TODOS OS POSTS